No próximo mês encontrar-me-eis neste e noutros locais. Mas não aqui. Desejo-vos boas férias!



epifania


veios de luz atravessam a nascente.
asas e ventos dividem esse corpo –
o calor da pedra iluminando o coração.

a majestade dispensa esta viagem.
a nave (se existiu) desaparece
para ficar apenas fortaleza
que o fogo foi dobrando
e seccionando.

o carro avança
sobre o espelho de cinza
quando a tarde escurece?

a fonte divide a fortaleza,
dissolve essa sombra no oceano.

a voz da esfera
ouve-se na terra.
este corpo desaparece
no incêndio
das ondas.

4 comentários:

Manel disse...

Belo poema, boas férias lá onde fôr. Saúde!

bemkerer disse...

Boas férias! Muito boas férias!
Porque se calhar depois...

ruca disse...

Algo me diz que o regresso vai ser duro.

laurindo disse...

Mais para uns que para outros, de certeza. Há dias de azar.