Vozes do Brasil

WLADIMIR SALDANHA



O GRANDE BÚZIO

É fruto sem sazão:
tem que ficar
dependurado,
ficar pesando,
fisgado
por um arpão.

Põe-se uma esteira no chão.
Três dias depois ele tomba

– o grande búzio,
como uma fruta madura,
como uma fruta pêca,

sem molusco,
uma fruta

onde se escuta o mar.


Este e outros poemas no Arquivo de Renato Suttana.

4 comentários:

Anónimo disse...

Isto é que é realismo!

Rocarealejo disse...

Não concordo!
Ainda se este poeta escrevesse um poema genial no género:

Alduzinda - perdi o meu lápis!

Assim, não sei, não.

Como é bom e lindo o realismo lusitano de xáxa para poetinhas pré-alfacinhas em crise de inspiração!

JMM disse...

Realismo seria uma coisa do tipo:

senhor Etelvino
venha buscar à mercearia
os kunamis fresquinhos
que cá deixou.

ganda realismo seria!

boydafruta disse...

Lá estão a meter-se com o das barbas estruturais.
Deixem o homem em paz que está quase a encontrar o criador.
O criador mesmo,coitado do murcão.