O novo livro do poeta espanhol José María Cumbreño
foi dos que maior prazer me concedeu nos últimos tempos.

Sem comentários: