OS NOVOS EXCLUÍDOS

Segundo revelam os jornais de hoje, há bancos que recusam abrir contas a desempregados ou pessoas sem profissão. Também hoje ficámos a saber que o desemprego real já atinge 611 mil portugueses, com tendência para crescer.
Não bastava que muitos bancos fossem já, ele próprios, agentes directos e/ou indirectos de desemprego, para além de motores directíssimos do endividamento dos portugueses (mediante campanhas de desinformação que estão a colocar a corda no pescoço de muita gente) - e agora temo-los como agentes de exclusão social, papel que lhes assenta como fatinho bem talhado. Não nos esqueçamos de que um cidadão sem conta bancária não pode ter cheques nem multibanco, o que o impedirá de aceder a muitos bens e serviços que a sociedade deveria proporcionar a todos... o que fará com que seja olhado com desconfiança por muitos dos seus concidadãos.
A DECO e o Banco de Portugal já protestaram mas, como tudo isto fica no âmbito da liberdade contratual entre bancos e clientes, nada será feito (é o costume...).
E assim vamos institucionalizando os novos senhores feudais e, também, os novos servos da gleba. Basta ver que, em casos de falência, os primeiros credores a receberem nunca são os desempregados (por mais famintos que estejam) mas, sempre, inevitavelmente, as instituições bancárias.

PS - Uma dúvida me assalta. Suponhamos que um desempregado resolve investir dois euros num bilhete do euromilhões. Ganha uma pipa de massa. Tenta depositá-la. Mas como, tecnicamente, continua a ser um desempregado (não tem realmente emprego), será que os tais bancos lhe recusarão a abertura de uma conta?

1 comentário:

j.c.lopes disse...

Posso responder a isso, sou bancário. O Banco, que é pragmático e não se prende a normas desde que lhe convenha abrirá logo a conta, o que interessa é o pastel, e aí se vê o que pretendem, é facturar.