Uma antologia de poesia sobre a Nazaré



Quem escreve poesia deseja sempre interpretar. Quem disser o contrário, engana-se (ou engana os outros), pois cada poema, tenha a face que tiver, utilize os instrumentos que utilizar, é sempre a interpretação comunicada de um Universo superior ou inferior, pessoal ou alheio, interior ou exterior.
Neste último domínio, cabem sem grande esforço os textos que reflectem sobre um determinado espaço geográfico concreto. Recolher num mesmo volume vários poemas sobre uma parcela do mundo físico que nos foi dado viver é, assim, uma tarefa louvável, pois auxilia-nos no encontro de uma visão poliédrica que, quase sempre, ilumina melhor o lugar interpretado e as suas memórias.
Vêm estas palavras a propósito de uma antologia que recebi há pouco tempo. Intitula-se Canto de Mar e reúne poemas de vários autores sobre a Nazaré. O volume, em que tive a honra de participar, foi organizado por dois poetas nazarenos, Alexandre Isaac e Mário Galego (“m. parissy” nos livros), e dado à estampa pela Biblioteca Municipal deste concelho da Estremadura portuguesa. Entre outros motivos de interesse, destacam-se os poemas (alguns inéditos) de Afonso Lopes Vieira, António Osório, Casimiro de Brito, Jaime Rocha, Jorge Reis-Sá, Jorge Velhote, José do Carmo Francisco, José Luís Peixoto, Levi Condinho, m. parissy, Mário Botas, Miguel Torga, Murilo Mendes, Nicolau Saião, etc..
O livrinho, com bela capa nascida de um desenho de Mário Botas, merece ser visitado.

2 comentários:

rui disse...

Onde é que se pode encontrar?

[já agora, aproveito este espaço (e peço desculpa por o fazer...) para te perguntar se recebeste o meu email]

José M. Mafra disse...

Já li e recomendo, é muito bom e vejo que este blogue é gente que ama a Cultura. A verdadeira ou seja, até a que não é como as maiorias querem. Vou voltar mais vezes, parabéns, Ruy Ventura.