AFINAL AINDA NÃO MORREU

Segundo nos conta o JL desta quinzena em pequena notícia, afinal a revista Ler, do Círculo de Leitores, ainda não morreu de todo. Conforme revela aquele periódico, passará a ter periodicidade anual, mantendo a mesma directora.
Estes dados, se constituem uma pequena alegria, não afastam a preocupação de quantos se habituaram a apreciar a Ler com Francisco José Viegas e lamentaram a decadência trazida com a actual directora. A informação de que a revista passará a dedicar-se ao balanço anual do mercado editorial é inquietante, pois parece surgir como uma cedência ao poder das editoras, que desejam apenas propaganda para os seus livros, e como uma erosão da Ler enquanto instrumento de reflexão.
Esperemos que as vertentes positivas ainda publicadas (entrevistas, críticas de Eduardo Pitta...) continuem e que outras se lhe reúnam.
Mesmo na doença, a esperança é sempre a última a morrer...

2 comentários:

bota disse...

com essa periodicidade fica mais coerente com a voracidade tradiocional que o português tem para ler

Ruy Ventura disse...

Não foi no post, mas fica aqui. Acho inconcebível que, nestas mudanças da Ler, nenhuma palavra tenha sido dada aos assinantes, fiéis que objectivamente a têm sustentado ao longo destes anos.