A FILOSOFIA DE
ÁLVARO RIBEIRO

Vale a pena comprar, ler e reler o 12º número da revista Teoremas de Filosofia. Trata-se, desta feita, de um número monográfico, onde são publicadas as comunicações apresentadas no colóquio "A Filosofia Portuguesa de Álvaro Ribeiro", dinamizado por Pedro Martins e ocorrido em Sesimbra entre 5 e 6 de Março de 2005. Como costuma afirmar uma amiga minha, aí tudo se come... Todos os artigos manifestam uma altíssima qualidade, nalguns deles até fundamental. Aqui fica a lista, para abrir o apetite:
- "Apresentação de Álvaro Ribeiro aos sesimbrenses", de António Telmo;
- "Álvaro Ribeiro e a defesa da Filosofia Portuguesa", de Pedro Sinde;
- "O Porto em Lisboa: Álvaro Ribeiro", de Pinharanda Gomes;
- "A Literatura em Álvaro Ribeiro", de António Cândido Franco;
- "O pensamento político de Álvaro Ribeiro", de Jorge Preto;
- "O filosofo do porvir", de Joaquim Domingues;
- "A estética em Álvaro Ribeiro", de Luís Paixão;
- e "Álvaro Ribeiro, uma imaginação a Ocidente", de Carlos Aurélio.
A revista pode ser pedida a Joaquim Domingues, seu editor e proprietário, para a Rua do Areal de Cima, 91 - 4710-346 Braga.

Do artigo de António Cândido Franco acima referenciado, sobressaiu este parágrafo que se me afigura de grande importância:

"É na vida interior que nós encontramos as expressões da verdade. O trabalho dos poetas consiste em dar forma a essas expressões mentais, próprias do pensamento. Assim sendo, os poetas são os filósofos que falam (como os filósofos serão os poetas calados). Eles animam com formas reconhecíveis as ideias mais puras e luminosas. O trabalho dos poetas é mal reconhecido, mas não há salvação para a humanidade fora da poesia. Se os poetas não tomarem nas mãos o destino do mundo, (...) estamos condenados à destruição e ao desaparecimento mais rasteiro. A destruição que hoje afecta a linguagem verbal, reduzindo-a a um corpo articulado e automático, estritamente informativo, terá num futuro próximo consequências desastrosas no mundo."

1 comentário:

Ana I. disse...

Muito bem, este post está actual e justificado. É muito verdadeiro e lúcido.