OS MELHORES LIVROS DE 2005

Desculpem-me aqueles que empinaram as suas listas de preferências com carinho legítimo pelos livros, mas - com o devido respeito - esta coisa de andarmos a publicar coisas como "Os Melhores Livros de 2005" (veja-se o Mil Folhas de sábado passado) faz-me sempre lembrar o conto tradicional "Frei João Sem Cuidados", naquela parte em que o moleiro (disfarçado de frade) responde assim a um dos enigmas postos pelo rei:
"Deseja Vossa Majestade saber quanta água tem o mar?... Pois bem, para que possa responder-lhe com rigor, terá que mandar os seus súbditos tapar todos os rios e ribeiras que nele desaguam. Só assim saberei medir quanta água tem o vasto mar... Sem isso, nada feito!"
De igual modo, a minha resposta à pergunta "Quais são os melhores livros de 2005?" será sempre esta:
"Para que pudesse responder-vos, amigos, teria que ler, pelo menos, todos os volumezinhos que, na nossa língua, vieram a lume no ano que se finou. Como isso é impossível (pelo menos para mim... talvez haja super-homens que o consigam...), fico calado - porque, convenhamos, o calado vence tudo... Não gosto de injustiças. Ponto final!"

1 comentário:

bota disse...

para qem trabalha no institutod da água, essa história de o rei querer saber o tamanho do mar, está muito boa.