ANA BLANDIANA
(Roménia)


NEC PLUS ULTRA

Mandaram-me procurar-te
E eu só queria a procura.
Nem sequer tinha pensado
No que faria contigo
Se te encontrasse.
Punha-te dentro da terra como uma semente?
Dava-te de comer como a um animal doméstico?
Pensando em como usar a pele e a carne,
A lã e o leite?
Ou antes, deixava-me devorar
Como se fosses uma fera?
Ou como numa floresta
Perdia-me em ti, cheia de medo?
Ou como num abismo
Deixava-me cair sem lhe adivinhar a profundeza?
Ou como num mar
Sepultava-me nos peixes?
Mandaram-me procurar-te,
Não encontrar-te.

5 comentários:

Rui Manuel Amaral disse...

Grande poema. Tens mais traduções da Blandiana?

dama disse...

Muito obrigada. É do romeno, a tradução?

l.v. disse...

Bom poema, não conhecia esta poetisa. A tradução é sua?

mafra disse...

Gostava de transcrever esta sua tradução numa revista de estudantes. O Ruy Ventura consente eu a fazer isso?

Ruy Ventura disse...

A tradução é directamente do romeno, mas não sei que foi o tradutor. Infelizmente não tenho mais poemas, mas posso ver se consigo.
Quanto à reprodução do que surge neste blog, fica ao critério de quem reproduz.