JOSÉ DO CARMO FRANCISCO

Os cães e os gatos de Tel Aviv

O insuspeito jornal diário espanhol El Mundo, pela prosa do seu jornalista António Gala revela-me num artigo intitulado Terrorismo de Estado um facto que a nossa adormecida e narcotizada imprensa não me tinha revelado. O gabinete de imprensa do governo israelita, em pleno auge da invasão do Líbano, resolveu expressar a sua preocupação pelos milhares de cães e gatos que foram abandonados pelos donos por causa desta guerra. Poderia ser humor negro mas não é. Um conjunto de publicações do Grupo Ahava chega ao despudor de apelar à colaboração e à simpatia de veterinários de todo o Mundo. Hoje tal como em 1982 quando invadiram os bairros de Shatila e de Sabra matando indiscriminadamente mulheres e crianças, crianças e mulheres, o governo israelita prossegue cegamente a sua série de crimes de guerra. Foi há 24 anos mas parece que foi ontem porque a agressão não parou. Israel é o único país do Mundo que tem aumentado regularmente a sua superfície desde que em 1948 foi criado sob os auspícios da ONU. A Jordânia, a Síria, o Líbano, o Egipto têm perdido terras e ribeiras, montanhas e planícies para o vizinho Israel. Esse mesmo Israel que insiste pelo cumprimento escrupuloso da resolução nº 1559 da ONU mas ignorou olimpicamente até agora 46 resoluções da mesma ONU. Como diz o meu amigo e jornalista Rodrigues Vaz «eles podem ganhar a guerra mas estão cada vez mais longe de ganhar a paz.» E este jornalista que nasceu em Moimenta da Beira até tem origem judaica. Mas não se deixa narcotizar seja pelo gabinete de imprensa do governo israelita seja por outro qualquer gabinete de imprensa.

5 comentários:

Luis Eme disse...

Infelizmente não é só em Israel que os cães e os gatos são mais importantes que as pessoas... Cá pelos nossos lados, já acontecem muitas coisas do arco da velha (e do velho...).

amélia liberato disse...

Não é verdade que em Israel os cães e os gatos sejam mais importantes que as pessoas.
Em Portugal em 1973, houve um jornal fascista da TPF, que atacou os/as ecologistas defensores dos direitos dos morcegos e dos batráquios, com o mesmo tipo de pretexto.
Como se vê continuam a ser bons todos os pretextos para se atacar Israel, tomada como uma corja de bandidos como fazia Goebbells.

Alberto Camús disse...

Então a Amélia não trouxe também o "roque" pela trela?
Ele deve ser um "bicho mau", treinado para morder todos os esquerdistas que apanha pela frente.
É pena todos estes fundamentalismos ("vamos dar cabo deles"!).
Digo isto, porque o mundo sem comunistas, judeus, iraquianos, talibãs, etc, tinha menos graça.

amélia disse...

Esquerdistas não, fascistas disfarçados. Gentinha chula.

Pipinha disse...

O sr. Alberto Camús é muito engraçado mas é parvo ou faz-se como se costuma dizer. Deve de ser um belo machão, só pode. Se levasse com uma bomba de talibãs em cima talvez achasse menos graça, ande seja homem e não faça pouco de quem morre com a maldade desses fanáticos. Se você tivesse parentes mortos por eles já achava menos graça.
A Amélia tem mais...do que você e é mulher mas não é uma lambisca como você parece ser um homem de macacada.