Antologia “Fanal”


DINIS MACHADO


The high window

Há pombos esquecidos nas estátuas
desta cidade antiga, naufragada.
Mastros de sombras escrevem o teu nome
e em cada letra reconheço a madrugada.

Mulheres e homens, enlaçados de cansaço,
dormem um sono fundo, com raízes.
Das margens deste sono se levantam
as pedras das palavras que não dizes.

Foge o mar dos meus dedos entre a noite
e a noite é uma canção que te procura.
Nos meus olhos ardem estrelas encharcadas
que rodeiam de azul a tua alma.

Cada esquina é um cais à tua espera.
Faróis e candeeiros chamam por ti.
Como um sonho deslizo e permaneço
na rua da janela onde te vi.

Finalmente os pombos são largados,
partindo desta estátua que tu és.
Parto nas tuas asas. Deixo aqui
este poema que te beija os pés.


(nº 11, 23/3/2001; na imagem, uma foto de Dinis Machado, por Augusto Cabrita)

3 comentários:

Sorja disse...

"No curso de formação de praças
Comando da GNR pede investigação sobre denúncias de violência em Portalegre

A Guarda Nacional Republicana pediu uma investigação às alegadas práticas de violência impostas aos instruendos da Escola Prática de Portalegre, denunciadas numa carta anónima enviada ao Governo e ao comando-geral da instituição."

(Notícia do Portugal Diário)


"Já agora investiguem também o que se passa com o caso dos polícias alegadamente corruptos na mesma localidade, situação denunciada pelo próprio Comandante e em tempos muito badalada na comunicação social.
Nunca mais se soube de nada. Sumiu-se?
Já se branqueou o caso?
Se não, temos o direito de perguntar e de saber.
Tanto mais que naquela cidade se passam coisas muito estranhas, estudei lá e sei que é verdade.
Para quando uma investigação a sério em Portalegre, para apurar se ali há de facto casos de corrupção, de tráfico de influencias, etc.?
Quem não deve não teme.
RAMOS CACILDO"

(Comentário no Portugal Diário)

Luis Eme disse...

Gostava de saber o que foi (ou é...) esta Antologia "Fanal".
Bonito poema do Mestre Dinis Machado, tocador de tantos instrumentos no mundo das letras.

a.camejo disse...

Creio que o Ruy Ventura explicará de novo, embora já o tenha feito em tempos.
Creio não errar se disser que o Ruy Ventura está a reproduzir poemas publicados num suplemento existente no "Distrito de Portalegre", e que o mesmo, o José do Carmo Francisco, o Nicolau Saião e o João Garção dirigiram durante 4 anos até que alguém resolveu acabar com essa lufada de ar fresco em Portalegre.
Aqui as coisas de valor costumam durar pouco tempo. Este até durou de mais, ouvi eu alguns amigos meus dizerem espantados.
Eu lia-o sempre pois era de facto interessante.